sábado, 31 de janeiro de 2009

Amor é lenha, paixão é álcool


Também disponível em MP3.


Programa de 08/Janeiro/2009. Neste vídeo Padre Fábio atende uma carta de uma pessoa que terminou um relacionamento que havia se tornado uma prisão. Padre Fábio diz que em um relacionamento à dois é normal se ter a sensação de que um seja do outro, mas para isso é preciso primeiro pertencer a si mesmo, para poder se dar ao outro. E esta "posse" do outro pode até ser considerada amor, mas desde que gere frutos saudáveis no relacionamento, não pode ser uma prisão. Quando se torna uma prisão, é preciso romper na hora certa, com um pouco de sofrimento, sim, mas que evita sofrimentos maiores no futuro, pois "a paixão do momento não vale o inferno de uma vida toda".
Muitas vezes confundimos amor com paixão. Pe. Fábio faz uma comparação dizendo que paixão é como fogo de álcool, porque acaba rápido, enquanto que amor é como fogo à lenha, porque demora, leva tempo. As pessoas são destruídas pelas paixões que incendeiam e consomem completamente como o fogo de álcool, manter relacionamentos alimentados pela paixão é muito perigoso, o alimento correto é o amor. Um relacionamento pode até iniciar pelo impulso de uma paixão, mas depois de um tempo é preciso avaliar se esta paixão está se transformando em amor, do contrário é melhor parar o quanto antes, mesmo que doa.
Postar um comentário